Iniciação a Corrida

No dia 31 inseri um programa intermédio de corrida, aqui fica um para iniciados na corrida (Atletismo), e garanto se cumprirem este programa a risca, não terão qualquer problema em correr Leia mais »

Alongar para fortalecer!

Queres fortalecer os músculos e tendões e ganhar estabilidade articular ao mesmo tempo que ganhas força? Tira um power stretch da máquina, bebe-o bem fresco e irás recuperar a forma em 3 Leia mais »

Faça desporto, jogando com “Wii Fit”

A Nitendo desenvolveu a “Wii Fit” para acabar de vez com esses quilos em excesso. O verão está quase ai há porta, infelizmente e nesta altura que os ginásios começam a encher. Leia mais »

Pilates

Mais uma vez vou falar desta modalidade, porque não há nada melhor para recuperar depois de um dia de trabalho. Pilates é o nome dado a uma série de exercícios que têm por objectivo Leia mais »

Color Run no Porto

Color Run no Porto

É já no dia 28 de Setembro pelas 16h que se vai realizar The Color Run na invita, vai ser uma corrida/caminhada com 5km, aqui o importante é  a diversão e mergulhar Leia mais »

Bem-estar

Combata a preguiça criando expectativas realistas

De vez em quando quase todas as pessoas passam por momentos de verdadeira preguiça, ou seja, uma sensação de mandria que parece instalar-se dentro de nós criando uma tendência viciosa para não fazer absolutamente nada. Os ita­lianos chamam-lhe um “dolce fareniente”, que é como quem diz um “saboroso não fazer nada”, que com conta, peso e medida é totalmente inofensivo. No entanto, quando esta sensação incapacitante se apodera de nós pode trazer consequências mais ou menos nefastas para a nossa saúde. A psicoterapeuta Madalena Lobo explica que “muitas das pes­soas que me procuram referem-se a si próprias como preguiçosas a propósito dos mais variados temas. No entanto, e como todos os epíte­tos, esta é uma forma redutora de se conceptualizar o não fazer atem­padamente o que se entende que se deve fazer”. Para a responsável pelo projecto “Oficina de Psicolo­gia” (www.oficinadepsicologia.com), que acompanha pessoas que preci­sam deimage ajuda, mas que financeira­mente não podem suportar a terapia, “quando se olha com mais atenção para aquilo a que as pessoas chamam preguiça, encontramos, invariavel­mente, alguns temas de base que nos servem para promover a mudança”. As expectativas irrealistas são muitas vezes responsáveis por as pessoas se sentirem preguiçosas. “Muitas pessoas entendem como preguiça o facto de não conseguirem fazer aqui­lo a que se propuseram. Contudo, os objectivos que definiram para si pró­prias são frequentemente irrealistas e pouco respeitosos do funcionamento fisiológico de um ser humano”, ex­plica Madalena Lobo. Por outro lado, algumas destas pessoas não se sentem minimamente motivadas para fazer certas e determinadas tarefas. “Regra geral não ouvimos ninguém a queixar-se de que é preguiçoso para fazer as coisas de que mais gosta”, salienta a psicoterapeuta. “Muitos de nós entendem que vão começar uma tarefa porque lhes vai apetecer fazê-lo e, portanto, aguardam essa vontade. Infelizmente, a maior parte das nossas tarefas correspondem a obrigações, normalmente muito pou­co excitantes, por isso, ficar à espera da motivação para as iniciar é uma má ideia”, adverte Madalena Lobo, acrescentando a tudo isto a falta de preparação para a tarefa a realizar. “Por vezes adiamos o que temos de fazer porque sabemos que não estamos preparados para o fazer ou por não termos as competências ne­cessárias à sua execução. Todos nós resistimos a fazer algo que sabemos que não vamos fazer bem, ou porque não estamos muito convictos de que o pretendemos mesmo fazer”. Além disso, perante a dificuldade mais ou menos generalizada de gestão de tempo “é frequente ouvir as pessoas a queixarem-se de preguiça apesar de investirem imensos recursos pes­soais no seu dia-a-dia. O seu proble­ma é chegarem ao final do dia com a sensação de não terem feito nada, apenas porque não souberam gerir bem o seu tempo”, acrescenta Mada­lena lobo, referindo que esta reali­dade cria uma grande ansiedade nas pessoas, que “Interfere com a clareza do raciocínio e com a capacidade de execução”. Para combater esta sensação de preguiça a especialista apresenta algumas regras simples. Reveja “as suas expectativas e ob­jectivos, adequando-os ao seu historial. Lembre-se que a acção precede a motivação, por isso comece a fazer o que tem para fazer, quer lhe ape­teça quer não, sendo que é provável que se consiga envolver na tarefa a medida que ela decorre. Avalie se tem mesmo que fazer aquilo a que se propôs e se está no âmbito das suas competências ou se necessita de reu­nir alguns recursos adicionais antes da execução dessa tarefa. Aprenda a gerir o tempo e algumas técnicas de gestão da ansiedade ou, se for caso disso, procure um psicólogo que o possa ajudar”. Lembre-se que a sensação de objectivo cumprido aumenta a auto-estima, a percepção de controlo pessoal sobre os acontecimentos da nossa vida e, consequentemente, a autoconfiança.

Parapente: planar como as aves

O que é necessário para começar?

- Observam as condições meteorológicas ao nível do solo e no céu, a velocidade do vento e a forma das nuvens, para se lançarem de asa inflada num voo planado. São parapen­te, apaixonados pelo sonho de ícaro. Voar! Ou melhor, planar como as grandes aves.

A aprendizagem…

- Os alunos começam por praticar inflados: encher a asa de ar e correr com ela na po­sição correcta. Só assim poderão descolar em segurança, tal como as pequenas aves em processo de aprendizagem de voo.

Red Bull Vert Evolution com novo critério de pontuação

No evento Red Bull Vert Evolution criou-se um novo critério mais justo de pontuação, tendo agora um juiz dando mais atenção para o seu critério. Os criterios serão avaliados na tecnica, na execução, na altura/extensão e na variedade de manobras.

O vencedor do Red Bull Vert Evolution com este novo sistema foi o brasileiro Marcelo Bastos, em segundo Sandro Dias e a fechar o pódio canadiano Pierre Luc Gagnon. Red Bull Vert Evolution realizou-se em São Paulo onde esteve recentemente a elite do skate vertical.

Exercício físico afasta vírus da gripe

Estudos mostram que exercício físico reduz risco. Mas também aqui o que é demais prejudica a saúde.

Espirros, dores de gar­ganta, nariz entupido. Os sintomas são, no Inverno, qua­se tão frequentes como o frio e, diz quem sabe, afectam os adultos, em média, duas a três vezes por ano. E, para muitos, de nada vale o sumo de laran­ja, o chá de limão com mel e to­das as outras receitas caseiras, isto porque o trabalho do sis­tema imunitário é influenciado por vários factores, que vão dos genes ao stress, regime alimentar, falta de sono… e exer­cício, garante Mike Gleeson. professor na universidade britânica de Loughbcjrough.

Quer isto então dizer que o exercício faz bem, mas nem sempre. Confirma o especia­lista, se a prática regular e moderada de exercício físico pode afastar infecções como a constipação, amigdalite ou até a gripe, já correr uma maratona pode aumentar a de­pendência dos lenços de papel, medicamentos e mezinhas.

Tonifica os teus abdominais

Dois exercícios para tonificar os abdominais

Não há razão para se fazer apenas os clássicos abdominais para trabalhar a musculatura da zona central. De facto, existe posições estáticas que realizadas como sequência de 60 a 90 segundos de duração cada uma imprimem boa intensidade ao treino. Experimenta esta sequência e verifica os resultados:

Prancha:

image

css.php