Solução para poupar em ginásios

Como manter o orçamento e a boa forma física Dicas de poupança, de Jackie Warner, estrela do programa “Work out” da Bravo TV. 1 – As aulas em grupo são bastante aces­síveis. Leia mais »

Pool Bike

Os beneficios da pool bike Pedalar debaixo de água? É uma boa ideia, já que os benefícios são muitos. Trata-se de uma bicicleta adaptada à utilização subaquática, totalmente inoxidável, com pedais desenhados Leia mais »

Ombros – Treino de força

Como fazer os exercícios sem riscos Há muitos exercícios que podem levar algumas articulações do teu corpo ao seu limite anatómico. Em consequência é provável que prejudiques alguma delas e que fiquem Leia mais »

Corridas e caminhadas nocturnas em Leiria

Corridas e caminhadas nocturnas em Leiria

Todas as quartas feiras realizam-se corridas e caminhadas nocturnas na cidade de Leiria, tendo já mobilizado cerca de 3000 participantes. Elementos da organização (NEL – Núcleo espeleologia de Leiria) organizam os participantes Leia mais »

Costas, Bicípite e alongamentos

Em cima da bola, em decúbito ventral. Segura nos pesos e eleva-os lateralmente. Mantém os cotovelos flectidos a 90°. Não subas os braços acima da linha dos ombros. Sentado em cima da Leia mais »

Benefícios do treino de alongamentos

Sabemos que há muito o alongamento tem sido um dos aspectos mais importantes na formação geral para qualquer tipo de desporto ou programa de exercício. Os benefícios da manutenção da capacidade de alongamento e mobilidade tornam-se cada vez mais importantes e essenciais ao ser humano ao longo da sua vida adulta, em particular na terceira idade em que o caminhar e sair de uma cadeira necessitam da nossa capacidade de mexer facilmente. Existem muitas maneiras de alongar de forma eficaz e persiste o debate entre os especialistas quanto à eficácia dos diversos métodos. Quando, como e por quanto tempo são alguns entre muitos temas polémicos. Algumas pessoas argumentam que alongamento antes do exercício é realmente perigoso. Adeptos do alongamento alegam que estes ajudam a prevenir lesões, dor pós-exercício e melhoram o desempenho.image Ambos os lados se sustentam em muitas provas esporádicas, estudos e relatórios individuais para confirmar as suas teorias. E geralmente aceite que a partir de um ponto de vista fisiológico, é melhor alongar quando os músculos estão aquecidos. Um ‘aquecimento’ deve ser específico, preparando os músculos para os exercícios futuros, e poderá durar 10 a 15 minutos. Tal como os músculos aquecem com os movimentos preparatórios as fibras tornam-se mais flexíveis e irão alargar mais facilmente.

- Alongamentos, particularmente no abdómen, costas, ombros, pescoço, e quadris ajudam a melhorar ao longo do tempo os mecanismos da respiração.

- A mobilidade possível em redor de cada articulação vai aumentar, tendo um impacto directo sobre a capacidade de força do músculo agonista.

OUTDOOR

Sº Jorge

Nas veredas das Fajã

Chove fortemente e, paro lá do Canal de S. Jorge, a ilha do Pico desapareceu. Dir-se-ia que o cenário ficou metalizado. A chuva forte tornou-se rapidamente num chuvisco persistente e os primeiros raios solares não tardaram a aparecer. Só então a montanha do Pico surgiu enorme, negra, limpa de nuvens e incrivelmente perto.

Seguindo o caminho para sudeste da igreja da Fajã dos Vimes, o tra­jecto vira à esquerda, no cruzamen­to junto a linha de água, e à direita, depois de passar um chafariz. 0 carreiro passa pelo cemitério e con­tinua ao longo da costa, transpondo a Ribeira dos Bodes, até à Fajã do Além. Nas cartas topográficas é designada “Fajã dos Bodes”, mas os habitantes não apreciam a deno­minação. Depois das últimas casas da fajã, o percurso atravessa a Ribeira do Cavalete. Daí em diante, o caminho empina-se, por vezes de forma acentuada, para superar a que­brada. As arribas são cortadas por vales encaixados, onde se formam diversas quedas de água de grande beleza. A montanha do Pico, do outro lado do Canal de S. Jorge, acompanha o caminhante na sua viagem rumo a sul. Vencida boa parte da subida irá surgir um cruza­mento, após um prado, onde será necessário virar à esquerda. Mais à frente surgem algumas casas de lavoura e um poço onde o trajecto vira à direita, tomando o caminho que conduz à Ermida do Loural (500 m). Essa ermida é o ponto de partida para a descida até à Fajã de S. João. Descida que se inicia por uma estrada de saibro que serpenteia por entre as casas dos Lourais. A estrada finaliza, onde se encontra um toro de sinali­zação com risca vermelha, formando como que um pequeno largo. É altura de continuar pelo trilho, estreito e pedregoso, situado em frente. A trilha curva, pouco depois, à esquerda, surgindo uma admirável queda de água. Volta a curvar, agora à direita, e passa sobre a linha de água numa ponte de toros de madei­ra cobertos por terra. A ponte é um excelente local para observar os pe­gões existentes na base da cascata. O trajecto rodeia o relevo para, mais à frente, entrar noutro vale muito entalhado de onde já se vislumbra a Fajã de S. João. As casas de lavoura, nas imediações de socalcos onde predominam os milheirais, são frequentes ao longo da descida. As janelas de três gui­lhotinas e as burras com maçarocas de milho merecem um especial des­taque. Estas rústicas casinhotas de pedra são ocupadas apenas dois ou três meses por ano: durante o In­verno (para o cultivo do feijão e/ou da batata) e em Setembro/Outubro (para a feitura do vinho). Uma curva pronunciada, para a direita, faz com que caminho siga em direcção a nordeste (no sentido oposto àquele em que se situa a Fajã de S. João). Lá ao fundo para as bandas do norte surge uma pontinha da Calheta. Mas esse curto troço, que desce frente ao Pico, vol­ta ao rumo certo, após uma curva para a esquerda. O trajecto perde altitude rapidamente, surgindo cada vez mais vinhas, e a rebentação do mar na praia de calhaus parece en­ganosamente ao “alcance da mão”. S. João já está perto, mas antes ainda irá surgir um grandioso vale à esquerda. Nesse local existe um socalco, de cujo muro brotam di­versos fios de água, onde abundam os inhames. Antes da ponte que atravessa o ribeiro encontra-se um moinho de água à esquerda do ca­minho. Passada a ponte, o caminho curva à direita, junto de uma casa com ar senhorial, e, pouco depois, entra em S. João. A Igreja de S. João (séc. XIX), onde se destaca um conjunto de azulejos representando Cristo crucificado rodeado de anjos, marca o final do itinerário. Ao lado situa-se um fontanário (de 1896), no qual o caminhante se poderá re­frescar. A “ilha montanha”, que se­guiu atentamente todo o percurso, proporciona agora a panorâmica ideal ao descanso merecido.

clip_image002

Maratona de Roma

22 de Março do 2009

www.rmaratonadiroma.it

Com partida e chegada junto a um dos monumentos mais famosos do planeta, o Coliseu de Roma, o percurso deslumbrante atravessa os pontos principais da cidade.

Percurso: Numa volta única a corrida atravessa quase todos os principais pontos turísticos da cidade de Roma, inclusive em partes da cidade antiga e da zona moderna, com as suas magníficas praças e fontes, sem deixar de lado a passagem pela cidade do Vaticano. Percorre ainda alguns quilómetros numa via rápida, o que não agrada a todos os corredores, mas essa passagem é compensada por uns últimos 1Okm de cortar aMaratona de Roma respiração. A prova não tem grandes subidas mas apresenta alguns desníveis que terás que superar. Não é uma maratona para grandes marcas.

Preparação para o Verão

A Primavera já chegou e com ela chegaram também as corridas ao ginásio para perder algum peso e a “barriguinha” que incomoda “mais” no Verão. No entan­to, é muito difícil, ou mesmo impossível, perder peso ape­nas numa zona específica do corpo, tal como a barriga, pois quando se perde massa gorda é em todo o corpo. Se pensa que a melhor forma de perder a barriga é fazendo abdominais, desengane-se, pois deve optar por exer­cícios cardiovasculares, no­meadamente bicicleta, step ou passadeira, visto que são excelentes formas de quei­mar calorias. Paralelamente, pode também exercitar os abdominais, mas nãoginasio com elevada intensidade. Não se esqueça que o exercício não é uma arma imbatível contra a gordura, pois tem de ser sempre aliado a uma dieta equilibrada e saudável.»

Descubra o btt

Vindo das montanhas da Califórnia, na década de 70, esta vertente radical do ciclismo esta a gannar cada vez mais adeptos em Portugal devido as condições atmosféricas e â variedade de espaços e terrenos apropriados ã sua pratica existentes no nosso país. O atractivo da modalidade ê proporcionar o contacto com a natureza e muita adrenalina, já que se pedala a grande velocidade e em terrenos onde o desafio de vencer os opstâcuios naturais constitui o principal atractivo. O BTT possui duas vertentes’, o DownHiil e o Crosscountry. Na primeira privilegia-se a velocidade. Na segunda a resistência física.

css.php